A importância do equilíbrio psicológico e emocional no rendimento esportivo

Não tenha medo das emoções negativas, aprenda com elas e saia fortalecido

Lágrimas de dor, de alegria, de decepção. O esporte é movido por fortes emoções. Nenhum atleta ou torcedor sai de uma competição da mesma forma que entrou. A cada partida, um turbilhão de sentimentos. Por mais preparado que seja o atleta, por mais confiante que seja o torcedor, é impossível prever o resultado de um jogo ou disputa. Essa é a magia do esporte!

As emoções são um importante motor na vida de todos nós, mas não podemos ficar à deriva, correndo o risco de sermos arrastados para águas perigosas. Precisamos aprender a navegar com sabedoria, e manter o equilíbrio durante a tempestade. Como diz o ditado, mar calmo não faz bom marinheiro.

Quero dizer que fugir de situações difíceis ou mesmo esconder as emoções não resolvem nada, ao contrário. A tendência é piorar. Melhor é entrar em contato com seus sentimentos, tentar entender exatamente o que está sentindo, e o que faz você se sentir assim.

Sabe quando a gente se olha no espelho? Para ver se o cabelo e a roupa estão em ordem? O mesmo devemos fazer com nossas emoções. Olhar para dentro e ver quais são as situações em que sentimos raiva, medo, frustração, vergonha, dúvida, insegurança. Tentamos a todo custo evitar ou suprimir sentimentos negativos. Claro que ninguém quer sentir-se mal.

A questão é que muitas vezes eles são inevitáveis. Fugir ou se esconder não resolve nada. O segredo é aprender a identificar e administrar emoções negativas.

Com autoconhecimento, o atleta evita atitudes explosivas e momentos de descontrole que podem prejudicar sua carreira. Episódios que acabam repercutindo negativamente na mídia e afetam o seu desempenho em partidas decisivas. A final da copa do Mundo de 2016 é um claro exemplo disto.

Lembre-se que todos os nossos sentimentos são necessários. Cada um deles nos dá percepções valiosas sobre nós mesmos, por isso é tão importante prestar atenção ao nosso estado emocional, estar atento e entender o que te faz sentir e reagir desta forma. Só assim, é possível ter equilíbrio emocional e bem-estar.

Infelizmente, nem sempre é fácil cuidarmos de nós mesmos e ver o que está acontecendo dentro de nós. Ainda mais quando se trata de situações difíceis e dolorosas, que criam sofrimento e medo, como um monstro à espreita. Tais situações geram dúvidas, estresse, medo e insegurança.

Se não sabemos o que fazer ou como nos comportar, isso pode nos paralisar. E acaba virando um círculo vicioso de estresse e apatia. O que podemos fazer, então? Como devemos agir quando nos sentimos acuados, em um beco sem saída? Como podemos enfrentar esses sentimentos negativos?

A regra de ouro aqui é muito simples: se não podemos mudar uma situação, temos que mudar a nós mesmos.

Como lidar com as emoções

Permitir os sentimentos é essencial para o nosso bem-estar e a harmonia interior, mas os sentimentos também podem ser poderosos e contra esse poder, às vezes, é necessário muito controle mental.

Com um pouco de treinamento e experiência, é possível administrar nossas emoções e usá-las a nosso favor, em vez de sermos reféns delas. Sem esse treino mental, os impulsos se tornam incontroláveis e dominam todas as nossas ações. E, então, fica cada vez mais difícil sair dessa espiral e retomar as rédeas da nossa vida.

Seríamos tentados a agir permanentemente, perderíamos nossa racionalidade e nos tornaríamos imprevisíveis não apenas para nós mesmos, mas também para os outros. Pessoas com baixo nível de resiliência tendem a essa submissão emocional

Mostrar os sentimentos não é motivo de vergonha ou sinal de fraqueza

É comum ter receio de demonstrar fortes emoções, na vida pessoal e profissional. Muitas vezes, consideramos isso embaraçoso ou inapropriado.

Mas uma coisa é certa: só porque suprimimos as emoções, não significa que elas vão embora. Se algo já está nos incomodando no início da manhã, isso interfere em nosso humor ao longo do dia.

Achamos difícil sorrir quando estamos realmente tristes e nos tornamos agressivos por dentro quando somos incomodados por algo. É por isso que é importante deixar sair as emoções que se acumularam ao longo de um dia ou muito tempo.

Esconder os sentimentos negativos não é saudável

Em geral, tentamos suprimir nossa tristeza, raiva, medo, e outras emoções negativas, por vergonha ou receio de que elas nos dominem. No entanto, reprimir sentimentos por muito tempo também pode afetar o corpo.

Quando não falamos ou expressamos esses sentimentos, se não nos permitimos chorar, por exemplo, o corpo procura outra saída. Você vê isto constantemente nas doenças psicológicas como a depressão e queixas relacionadas ao estresse, como problemas estomacais e intestinais por exemplo, inflamação da mucosa gástrica, diarréia.

Podemos ter insônia e exaustão, palpitações cardíacas e problemas circulatórios ou até mesmo dores crônicas. Portanto, deixe seus sentimentos negativos correrem soltos de vez em quando, para que não encontrem outra maneira de se manifestar.

Como melhorar sua resiliência após estados emocionais extremos

Dar vazão a sentimentos fortes, pode resultar em uma crise emocional. Mas isso não é totalmente ruim. Assim, se tem a oportunidade de se fortalecer diante deles.

A capacidade de aprender com as situações negativas e de fazer a transição para uma nova fase da vida, com mais força mental, é o que chamamos de resiliência. Em uma crise, pense nas situações críticas que você já dominou com sucesso e se coloque de volta lá.

Certamente você também acreditou na época que nunca conseguiria e, no entanto, encontrou forças para fazê-lo. Tome consciência de seus pontos fortes, pense em experiências anteriores de conquistas e peça a opinião de amigos e familiares. Afaste-se de pessoas tóxicas, destrutivas e de má influência para sua vida. Seja você mesmo, se aceite e se ame! Foque em você e seus objetivos!