A bola nem sempre é redonda! Como lidar com derrotas no esporte.

A derrota para um atleta pode vir antes mesmo do apito final. E não são
apenas os adversários que podem tirá-lo da disputa. As lesões são as
principais inimigas dos esportistas. Um verdadeiro pesadelo também para
os treinadores. O dano, geralmente, é físico e psicológico. O estresse
deixa marcas no cérebro emocional (sistema límbico). E fica o medo
constante de dar o melhor de si mas acabar sofrendo novas lesões (medo
do medo). 
Uma pessoa entra em um estado de estresse quando a existe um conflito
entre o seu desenvolvimento e as exigências e desafios da competição. A
perda da auto-estima e o medo andam lado a lado e dificultam o
desenvolvimento do atleta em um momento chave da competição. Por um
lado, o medo é uma reação natural da mente aos perigos e é responsável
por preparar o corpo para reagir a uma ameça: fuga ou luta. É um instinto
primitivo e uma resposta natural protetora do nosso corpo.
Durante uma competição esportiva, as reações psicológicas e fisicas são
semelhantes. Entram em campo o ego e a auto-estima do atleta que se
preparam para o desafio. Mas caso ele já tenha sofrido uma lesão,
certamente, terá que lidar com a ansiedade e o medo de se machucar
novamente. E isso gera frustração, não só no atleta, mas no treinador e
na torcida também, que esperam que o competidor tenha um
desempenho impecável.
Assim, ele entra em um ciclo vicioso já que o medo e a ansiedade
comprometem o seu desempenho e, então, ele é críticado, gerando
insegurança e mais medo e ansiedade. Isso pode arruinar a carreira de
um atleta. Por isso, tão importante quanto o treinamento físico é a
preparação mental para enfrentar todas as fontes de estresse: adversários
mais fortes, pressão e agressividade da torcida, além das diferenças
culturais e mudanças de clima que o atleta enfrenta a cada competição ao
redor do mundo.
Mas esta também é uma grande oportunidade para o desenvolvimento
pessoal do atleta. Uma chance de superação emocional. Isso porque o
estresse tem um lado positivo e leva o atleta superar suas limitações para
alcançar seus objetivos.
Quanto maior a competição, maior é o desafio. Na Copa de 2014, quando
o Brasil perdeu de 7 a 1 para a Alemanha ficou evidente o despreparo
psicológico da nossa seleção. A torcida colocou toda sua esperança em um
único jogador e não na equpe como um todo. Esta expectativa gerou
muito estresse e insegurança nos jogadores o que nos levou à derota,
pois o desequilíbrio emocional comprometeu o desempenho físico e tático.

Por isso, é tão importante estar atento aos sinais de manifestação de
medo e ansiedades como: aumento da frequência cardíaca, respiração
acelerada, dificuldade de concentração, esquecimento e constante
insatisfação consigo mesmo eincapacidade de executar instruções.
Algumas dicas para controlar melhor seus medos e ansiedades:
1- Antes do primeiro treino mentalize a situação e os resultados que você
quer alcançar.
2- Aceite ajuda proficional, não tenga vergonha disto. Treinamento mental
é hoje usado em todos os esportes e ajudará você a lidar com a ansiedade
e medos.
3- Encare logo a situação pois quanto mais você tenta evitá-la mais seus
medos vão aumentar.
4- Aprenda a aceitar e reconhecer o que te causa medos, faça uma lista
de todos eles e defina a intensidade de cada um. Reconhecendo e
aceitando os medos fica mais fácil encontrar estratégias para vencê-los.
5- Tente interpretar os medos de forma realista e não fique prevendo de
forma exagerada cada a situação ruim que pode acontecer, como cair ou
colidir com outro atleta.
6- Use técnicas de relaxamento e exercícios respiratórios.
7- Se você tem tendencia a ver as coisas de forma pessimista aprenda a
buscar o lado positivo da situação.
8- Imagine a situação que lhe causa medo e tente enxergá-la de forma
positiva. Quanto mais pensamentos negativos maior a chance de fracasso.
O principal objetivo do treinamento de alta performace é recuperar seu
alto rendimento no esporte e reduzir medos, estresse e ansiedade.